Discurso Tomada Posse do Novo Presidente UFCastro Verde e Casével

Senhor Presidente da Assembleia de Freguesia Cessante

Senhor Presidente da Câmara Municipal cessante e eleito

Senhora Presidente da Assembleia Municipal Cessante

Senhores vereadores cessantes e eleitos

Senhores membros dos órgãos Autárquicos Cessantes

Senhores autarcas aqui presentes

Senhores Deputados da Assembleia da Republica

Exmas Autoridades Civis, Militares e Religiosas

Senhores representantes das Associações da Freguesia e do concelho.

Exmos funcionários e colaboradores desta autarquia

Ilustres convidados

Minhas Senhoras e meus Senhores

Caras amigas e caros amigos

 

É com o maior orgulho, imensa humildade e com profundo sentido de missão que hoje tomo posse no cargo de Presidente de Junta da União das Freguesias de Castro Verde e Casével. É algo que muito me honra, e para o qual fui eleito por sufrágio universal no passado dia 1 de Outubro, através de uma expressiva manifestação de apoio popular.

O Povo votou, o Povo decidiu, e decidiu com a mesma clarividência e lucidez democrática, demonstrada em eleições anteriores. Entendeu pois mudar os protagonistas políticos do nosso concelho e da nossa União de Freguesias.

Importa hoje aqui lembrar que o poder pertence unicamente ao povo, e é ele quem decide quem o deve exercer, mandato após mandato, através da arma mais bonita da democracia, o voto.

A responsabilidade no exercício de funções autárquicas é enorme, não poderemos falhar, o povo não perdoará, exigindo-se assim aos vencedores uma dedicação extraordinária, com vista ao cumprimento dos seus compromissos, plagiados nos seus programas eleitorais. Contudo a responsabilidade dos vencidos também é enorme, esperando-se um comportamento responsável, divergente certamente em muitas ocasiões, mas que espero colaborante, naquilo que é essencial para um exercício de um mandato autárquico sem percalços, que poderiam por em causa o normal funcionamento dos órgãos, não caindo pois em tentações de experimentar táticas bloqueadoras do desempenho autárquico dos vencedores, o povo certamente não entenderia.

Há precisamente 24 anos que participo como candidato em atos eleitorais autárquicos, tenho estado sempre do lado dos vencidos, e é com a mesma humildade democrática que aceitei todas as derrotas anteriores, que exercerei o cargo para o qual fui eleito.

Quero começar por agradecer a todos os apoiantes e ativistas desta candidatura, ao Partido Socialista e seus militantes, que me convidaram para encabeçar este projeto e a todos os que confiaram em mim, independentemente das suas convicções políticas, e que se empenharam na vitória da mesma. Podem estar certos que serei o presidente de todos, tenham votado em mim ou não.

Um agradecimento especial à minha família, que sempre me tem apoiado ao longo de todos estes anos, nestas andanças políticas, mas deixo aqui, um abraço aos meus sobrinhos Luís e Carolina, que pela primeira vez se envolveram numa campanha eleitoral, comprovando que afinal os jovens também gostam de política.

Quero deixar também uma palavra de gratidão ao povo de Casével, o qual deu uma prova de confiança nesta equipa por mim liderada, votando maioritariamente nesta candidatura. Sabemos a responsabilidade que temos perante vós, mas podem ter a certeza que saberemos reconhecer a distinção que fizeram nas urnas, podem ficar cientes que iremos lutar com todas as nossas forças para que seja reposta a injustiça de que foram alvo, quando lhe usurparam a sua freguesia. Contem connosco, todos em conjunto iremos conseguir, exigindo todos os dias das nossas vidas a atribuição da soberania histórica a que têm direito.

Aos que hoje cessam funções executivas na União de freguesias, permitam-me que, neste momento, saúde a forma empenhada como deram o melhor de si, desempenhando as suas funções com dignidade, a verdadeira essência da palavra democracia, partilhei convosco na assembleia de freguesia este ultimo mandato, saio de consciência tranquila na forma como desempenhei o cargo, sempre colaborando convosco para o bem comum e o interesse público do povo desta União de Freguesias.

 A Junta de freguesia como órgão autárquico mais próximo dos cidadãos tem um papel preponderante na valorização dos valores, na manutenção das nossas tradições, dos nossos costumes, sendo essa a nossa prioridade dar vida à junta de freguesia, vincando a sua independência política, mas disponíveis para o dialogo franco e aberto com todos os órgãos autárquicos, sejam eles da mesma força politica ou não.

Como sabem a realidade de uma Junta de freguesia Urbana nada tem que ver com a de uma freguesia rural. Em Castro Verde tudo o que se faz se confunde com a atividade da Câmara, não se sabendo até onde vai a ação da Junta e onde começa a atividade da Câmara.

Por isso, o nosso foco principal irá incidir sobre as populações que se encontram fora da vila, trazendo a junta para fora da praça do município, promovendo reuniões descentralizadas da Junta, bem como da assembleia de freguesia, chamando assim as populações à participação e discussão dos problemas da sua aldeia ou vila, sejam eles de carácter individual ou coletivo.

Reivindica-se, pois uma maior intervenção e participação ativa dos seus fregueses, Instituições e associações, e também uma freguesia com mais capacidade e vontade de intervir e agir junto dos centros de poder e decisão.

Importa pois agora, olhar o futuro com otimismo, mas nunca esquecendo o passado, recordando os homens e mulheres que lideraram os projetos autárquicos destas freguesias agora unidas, tempos passados, muitas dificuldades, mas sempre a mesma dedicação, servir o bem comum.

Na freguesia de Casével, relembro os Presidentes:

Manuel Jacinto Pereira, José Guerreiro Francisco, José Rosa Leitão, Rosa Maria Brito Revés Santos, Maria Celina Nobre Guerreiro, e Fernanda Guerreiro Santos Felício.

Na freguesia de Castro Verde, relembro os Presidentes:

Manuel Guerreiro Marques, Alfredo Luiza Gomes, Fernando Ramos Rosa Palma, José António Isidro, José Paulino Júnior, Maria Manuela Florêncio, e José de Brito Silva Martins.

Sem desprimor por todos os nomeados e suas equipas, permitam-me recordar dois deles em particular, e que já não estão entre nós, na freguesia de Casével relembro o Sr. José Guerreiro Francisco, eleito presidente de junta pelo partido socialista nos mandatos de 1976/1979; 1980/1982; 1983/1985 e 1994/1996, bom companheiro, histórico socialista, homem simples que deu o seu melhor em prol do povo de Casével, tempos de grandes dificuldades no exercício dos seus mandatos, onde nunca teve o prazer de trabalhar com uma Câmara Municipal do seu partido. Certamente, onde estiver estará orgulhoso deste dia.

Em ultimo, não posso deixar de referir o meu pai, José Paulino Júnior, presidente de Junta da Freguesia de Castro Verde, eleito nas listas da CDU no mandato de 1990/1993. Como é do conhecimento público, faleceu recentemente em plena campanha eleitoral, para ele um agradecimento especial, por me teres tornado o homem que hoje sou, tenho seguido as tuas pisadas como querias, e partir de hoje irei repetir mais uma vez um cargo que desempenhaste. Onde estiveres também estarás feliz e orgulhoso, e certamente também celebraste connosco a grande vitória que obtivemos no passado dia 1 de Outubro.

Aos senhores Deputados e aos senhores autarcas aqui presentes, quero dirigir uma saudação muito especial, a vossa participação nesta cerimónia acarreta ainda uma maior responsabilidade a todos os que hoje aqui tomam posse e será certamente uma garantia de que iremos trabalhar afincadamente em prol da população.

Por fim dirijo-me aos colaboradores desta casa, transmitindo-lhe uma palavra de esperança e confiança, dizendo-lhes que contamos com o seu apoio, com o seu potencial e com a sua experiência, o facto de ter mudado a equipa autárquica, não abala a confiança que depositamos em vós, pois só assim será possível atingirmos os nossos objetivos, que é a melhoria das condições de vida das populações das nossas freguesias.

Muito Obrigado

.: